terça-feira , 24 outubro 2017
Capa > Empresas & Negócios > O e-commerce contrata!

O e-commerce contrata!

 Apesar da queda no número de postos de trabalho, o e-commerce contrata.

Os números de maio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) registram o fechamento de – assustadores – 115.599 postos de trabalho no Brasil. Especialistas apontam o resultado como reflexo da crise econômica no país e alertam que a retração do emprego não só vai continuar, como deve ficar ainda pior, visto que não há indícios de que a economia vá melhorar nos próximos meses. O ministro Manuel Dias, afirma que este foi o pior mês da série histórica, iniciada em 1992, e que é a primeira vez que maio apresenta um resultado negativo.

há vagasNa contramão dessa queda na economia está o e-commerce, que se não cresce muito, no mínimo se mantém, como afirma o diretor de Comunicação e Marketing da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.Net), Gerson Rolim. Ele complementa que há uma projeção de faturamento de R$ 43 bilhões para 2015, uma expansão de 20% sobre os 12 meses anteriores. Pudera, dos 204 milhões de brasileiros, 51,5 milhões fizeram no mínimo 1 compra online no ano passado. Isso representa cerca ¼ da nação que necessita de atendimento comercial, profissionais de TI, pós-vendas, financeiro, gestão, comunicação e inúmeros outros setores envolvidos.

Prova do aquecimento no setor é a Magamobi, holding especialista na venda de celulares e smartphones, atuando há cinco anos com comércio eletrônico por meio das lojas Cissa Magazine, Marcelo Smart, GuriVéio.com, LidiMania e Sam Store. “O fechamento do ano fiscal foi excelente, enquanto o comércio eletrônico cresceu 24% em 2014, a Magamobi alcançou um crescimento de 85% e prevê para 2015 um crescimento de 40%, o dobro da média de 20% estimada para o setor pelo E-bit1”, comemora o CEO Jaison Goedert. Além do crescimento, a holding catarinense ainda se destaca por sua atuação no mercado de trabalho. Frente aos dados de queda, a Magamobi continua a abrir novas vagas, contratando para ampliar tanto setores quanto horários e atuando com gestão de pessoas e com a capacitação e a formação de colaboradores.

Comércio eletrônico capacita os escolhidos

Não é de hoje que o mercado e-commerce tem dificuldades na contratação de mão de obra. Currículos de colaboradores especialistas tanto em varejo quanto em tecnologia não são nada comuns e, com o crescimento das lojas virtuais, a deficiência se amplia para as demais áreas gerenciais e operacionais. O que acontece então, é que apesar da lacuna em uma das áreas de competência, é feita a contratação seguida de uma capacitação dentro do próprio comércio eletrônico, como a forma mais comum de profissionalização. Segundo a Pesquisa Profissional de E-commerce 2014, parceria entre E-bit e Universidade Buscapé Company, 61% dos profissionais aprendeu a trabalhar com comércio eletrônico assim, na própria empresa.

As vagas no comércio eletrônico pertencem a segmentos relativamente jovens e que a intervalos muito curtos inserem e resultam ainda em novas demandas e competências. O mercado profissionalizante não consegue se adequar tão rapidamente para preparar e capacitar esses colaboradores. Assim o deficit que já existe para a mão de obra do e-commerce, não apenas se mantêm, mas aumenta e com o crescimento do setor, se amplia.

Para que a Magamobi não desacelerasse seu crescimento, Jaison apostou pela contratação de colaboradores das gerações Y e Z: “eles são mais de 95% da equipe, muitos deles estão em seus primeiros empregos e com baixíssimo índice de turnover”. Para isso, além dos benefícios previstos em lei, as políticas da empresa contemplam cursos de línguas, auxílio pós-graduação e especialização, vale cultura e combustível, ginástica laboral, seguro de vida e remuneração com premiação por metas. “Ter equipe é fundamental. Focamos em manter um bom time e acrescê-lo de novos talentos para impulsionar e acompanhar o nosso crescimento. Neste ano serão 12 milhões em investimentos que contemplam infraestrutura, novas tecnologias e equipamentos, mas também voltados à atrair e capacitar novos colaboradores. A meta da Magamobi para 2020 é obter receita bruta superior à 1 bilhão, para isso a equipe deve estar alinhada à nossa visão e missão e trabalhar com foco nos nossos valores. Hoje somos 150, em breve, mais de 300.”

Mas trabalhar com e-commerce é trabalhar com o quê?

De modo geral, o mercado de trabalho do comércio eletrônico está dividido entre o campo técnico (com funções nas áreas de designer, desenvolvedor web e de plataformas móveis) e o de negócios (com gerências de e-commerce, logística, metadados, marketing’s, mídias sociais e call center). E a profissionalização do mercado de varejo online em si vem contribuindo para a sua evolução e o seu crescimento, assim como de seus colaboradores.

O CEO Magamobi destaca, quase tão importante quanto a afinidade com a área de atuação, algumas características são fundamentais para quem quer trabalhar com e-commerce: “É preciso acompanhar as mudanças e tecnologias, ser ágil, rápido no aprendizado. Saber manter o foco no trabalho e no resultado da equipe faz muita diferença. E organização e planejamento são diferenciais”.

Atualmente não há garantias de vagas no mercado de trabalho, mas o setor e-commerce se mostra uma opção estável e ainda em desenvolvimento. Hoje – e por um bom tempo ainda – ter formação diferenciada ou especializações dentro da ampla área de atuação e-commerce valoriza o currículo e podem significar dígitos a mais na folha de pagamento. 

1 Conforme dados do 31º WebShoppers, relatório de Comércio Eletrônico Brasileira / E-bit.

Marilei Pessatti

Confira as vagas da Magamobi E-Business S/Acontratando

Saiba mais em:

Magamobi supera o crescimento do mercado e-commerce

Magamobi investe R$ 1.2 milhão em desenvolvimento de plataform E-commerce

Sobre Marilei Pessatti

Jornalista graduada em Comunicação Social pela Faculdade de Artes e Comunicação da Universidade de Passo Fundo, FAC / UPF, e pós-graduada em Gestão da Comunicação Pública e Empresarial pela Unidavi, atua nas diferentes áreas do Jornalismo e da Assessoria de Comunicação e Imprensa através das mais diversas plataformas de suporte. Possui interesses nos âmbitos da Cibercultura, do Jornalismo Online, das Mídias e Redes Sociais, da Literatura, do Cinema e da Fotografia, acompanhando o surgimento e o desenvolvimento das Tecnologias de Informação e Comunicação, atentando para o modo como a utilização e a difusão destas inovações influencia e converge o processo de transmissão das informações e pauta a produção dos conteúdos e dos discursos.

Check Also

Grupo New Space anuncia Arthur Dinóla como novo Diretor Executivo

Profissional com mais de 30 anos de experiência chega com a responsabilidade de ampliar o …

4 comentários

  1. Adriana da Silveira

    Os números do CAGED realmente são assustadores. Espero que o crescimento do comércio eletrônico consiga sustentar a economia até que dias melhores cheguem ao Brasil. Acessando o quadro de vagas da Magamobi percebi o quanto é variado o campo de atuação profissional desse setor e acredito que mereceria mais atenção de governos e instituições de ensino.
    Parabéns pelo conteúdo Direito e negócios.

    • Adriana! Esperamos que em breve possamos divulgar números positivos e de crescimento. E seguimos acreditando que, em breve, o e-commerce receberá mais atenção de governos e academias.

      Obrigada pela sua leitura!

      Marilei Pessatti
      Jornalista

  2. Suéli Cristina

    Matéria excelente e muito bem escrita, é muito bom saber que tal meio está crescendo e que existem empresas que como a Magamobi estão investindo no aperfeiçoamento dos seus colaboradores e deixando claro o que é necessário para atuar nesse meio.

    • Olá Suéli, nosso case mostra o quanto é importante investir em equipe, mesmo em tempos de crise, e o quanto o setor está deficitário de mão de obra. Esperamos que o texto inspire novos profissionais e empreendedores.
      Obrigada pela leitura!

      Marilei Pessatti
      Jornalista

Deixe uma resposta